sábado, 7 de janeiro de 2012

Todos querem a "Benção" da Ciência!!!!


Sempre falo que não dá para acreditar em tudo que se lê. Principalmente quando tentam correlacionar religião com ciência! Olhem essa notícia que saiu semana passada na Exame:

Pessoas que vão à igreja sofrem menos de hipertensão, diz estudo
Segundo pesquisa norueguesa, existe uma ligação forte entre praticar uma religião e ser saudável

Lendo a notícia a idéia que passa é que existem vantagens reais na saúde por fazer parte de uma religião. E pelo visto essa notícia correu o mundo dessa forma, achei em outras publicações estrangeiras também.

Bom, a própria notícia da Exame já faz uma menção de que não se pode generalizar para todas as religiões como o judaísmo ou o islamismo, já que a pesquisa foi feita na Noruega e maioria da população é luterana. Mas na página tinha um link para a Universidade que publicou a pesquisa, a Norwegian University of Science and Technology (NTNU). Nessa página está o texto completo publicado pela universidade sobre essa pesquisa, e o que encontramos:

1 - Quem publicou esse trabalho foi Torgeir Sørensen, um cadidato a PhD da School of Theology and Religious Psychology Centre at Sykehuset Innlandet (Inland Hospital). Em resumo, um pesquisador de um Centro de Psicologia Religiosa e Teológica.

2 - O que eles chamam de "ser saudável" se resume ao valor de pressão arterial.

3 - Em nenhum momento o texto se refere a ter menos hipertensão, somente a valores mais baixos de pressão arterial.

4 - Os resultados são obtidos de cruzamentos de dados e por isso não dá para afirmar o que é causa e o que é efeito. Ou seja, a pesquisa não consegue diferenciar se é a pratica de frequentar a igreja que deixa os valores mais baixos ou se são as pessoas que tem pressão mais baixa que acabam indo mais a igreja.

Só por essas condicionantes não achei que a notícia merecia o marketing que teve. Mas ainda fiquei na dúvida quanto aos valores. Quanto a menos realmente é pressão arterial de quem frequenta igreja. Fui atrás do artigo completo, encontrei que ele foi publicado na revista The International Journal of Psychiatry in Medicine (vol 42, number 1/2011, pg 13-28), mas só achei o abstract. Para ter acesso ao artigo completo eu precisaria pagar a anuidade ($160 – sem condição).

Mas o abstract deu mais alguns detalhes da pesquisa:

O que eles chamam de ir a igreja é frequentar mais de 3x por mês. Essa condição somente 3,5% dos entrevistados atende. Esses 3,5% foram a base para encontrar a correlação.

A pressão média dos entrevistados era de 71,0/128,5 mmHg (mulher) e 76,7/134,0 mmHg (homem), ou seja, sem surpresa. Não foi encontrada nenhuma correlação estatística na redução da pressão sistólica (o número maior) em homens.

Então tem a frase: “After adjustment, inverse associations between RA (Religious Attendance) and DBP/SBP for both genders were found.” Ou seja, depois de ajustes, que eu só poderia entender quais foram se tivesse o artigo completo na mão, conseguiram encontrar uma correlação. (grifos meus)

E a conclusão: In a large population-based survey in Norway, RA was associated with lower DBP and SBP after adjusting for relevant variables.


Conclusão:

Depois desses cliques adicionais a minha suspeita foi confirmada. A notícia é muito menos do que divulgaram! Mas claro escolheram a forma com maior apelo, dá mais público!

Estatística é uma ciência delicada. Com uma grande base de dados é possível conseguir várias correlações diferentes, é nesse caso focaram somente na pressão arterial e visitação a igreja, mas e quanto aos outros infinitos fatores de vida desse grupo? Quantos são sedentários, quantos bebem cerveja diariamente? Quantos fumam? Quantos vão ao cinema mensalmente? Tenho certeza que vão encontrar correlações de todos o tipos.

Fica claro que o objetivo principal somente é obter o aval científico de que faz bem ser religioso. Isso produzido por um grupo religioso, lógico! Já comentei nesse blog, só a ciência tem credibilidade em produzir resultados e todos estão atrás disso.
Não é possível correlacionar ciência com religião. Se esse levantamento de dados realmente conseguiu alguma relação de pressão arterial menor para que frequenta igreja, outro poderá chegar a conclusão contrária. A soma de todas pesquisas certamente ficará dentro de uma "média" inconclusiva. Essa média ainda não existe porque só fizeram uma pesquisa, e mesmo assim com todos os condicionantes e “ajustes” comentados acima!

A saúde das pessoas é muito mais complexa do que “Vá a igreja!” Não é preciso nenhuma estudo para saber isso!