quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Unicamp Quase Promove um Evento Criacionista!

A notícia é velha mas o debate ainda é válido. Li na Istoé que recentemente um evento chamado Fórum de Filosofia e Ciência das Origens, que seria feito na Unicamp, foi cancelado após vários cientistas se oporem ao evento. O cancelamento provocou diversas reclamações, basicamente se referindo ao cancelamento como discriminação de uma determinada corrente de pensamento. Também diziam que a universidade deve promover debates e não cancelá-los....

Vejam o quão sutil e perigoso são esses argumentos!! Ninguém, obviamente, é contra a discussão das ideias, mas na primeira impressão fica parecendo que a universidade está mesmo sendo discriminatória. Mas não é bem assim. Na verdade a Unicamp escapou de ser utilizada como escada em mais um evento religioso disfarçado de científico.

O nome "Ciência das Origens" é na verdade um nome pomposo para criacionismo. Os criacionistas usam o termo "Ciência" para obter maior credibilidade. Já comentei aqui outras vezes que todas as religiões e pseudociências anseiam pela credibilidade que só a ciência tem. Por isso tantos argumentos vazios começam com a frase "já foi provado cientificamente..." 

E chamar o criacionismo de "Ciência" de qualquer coisa já é um passo nesse sentido. Mas fazer um evento com esse tema dentro da Unicamp seria muito melhor, certo!!! Teria uma Universidade pública dando aval para esse assunto religioso. Seria mais um pézinho que a religião colocaria para dentro das universidades, se travestindo de ciência para ganhar credibilidade.


E quanto a discussão das ideias? Não seria interessante o debate? Com certeza!!! Mas de forma clara e fora da universidade. A universidade, e eu diria que até mesmos as escolas, são os lugares onde se ensinam conhecimentos científicos. Antes de chegar para os alunos, tudo já foi infinitamente estudado, testado e representa o que a ciência considera correto atualmente. Fora isso, discussões de ideias criacionistas por exemplo, devem ser feitas fora do ambiente escolar. O que não faltam são lugares para isso. Mas utilizar a universidade nada mais é do que uma forma de sequestrar a credibilidade da instituição.

Ainda bem que ainda existe uma categoria vigilante de cientistas expondo essa tática de infiltração nas universidades. Pena que são poucos, e tenho certeza de que muitos eventos desse tipo em universidades de menor renome, e consequentemente menor visibilidade, devem estar ocorrendo no Brasil.

9 comentários:

  1. Nossa!!!! Que boa contribuição ao pensamento crítico que este blog está realizando pra sociedade!!! Reportagem patética!!! Cerceando o direito dos pagadores de impostos cristãos/criacionistas, em favor de uma minoria de ateus/evolucionistas, pensam ainda que estão contribuindo com o pensamento crítico? Que piada!!! Voltamos aos primórdios, porém agora ao contrário, pois antes eram chamados hereges aqueles que se opusessem ao criacionismo, hoje são considerados hereges os que se opõe a essa grande farsa evolucionista de Wallace, que teve roubada por Darwin sua obra de ficção "quase" científica.
    Deveriam sentir vergonha em publicar uma matéria como esta, num blog que prega a promoção do pensamento crítico... Que promoção é essa?

    ResponderExcluir
  2. Antes vamos definir umas premissas:
    * Ciência é obter conhecimento através do método científico, não há nenhum cerco de direitos aqui, a definição do que é ciência não se deu nem por maioria nem por minoria, nem por direito concedido a quem paga imposto. A ciência conquistou o seu espaço por mérito e resultado. Tem sido assim desde a antiguidade.
    * Nem cientistas nem ateus estão chamando as pessoas de herege, alias não faz sentido nenhum um ateu chamar alguém de herege.

    Agora,
    a obra de Wallace e Darwin pode ser questionada, mas para a ciência o método de fazer isso é o método científico, não é utilizando critérios próprios, e não é baseado no que está escrito na bíblia.
    Para você dizer que a obra deles é uma ficção quase cientifica, você tem que apontar um estudo que que comprove sua afirmação usando o método cientifico.

    Coisa alias que já foi feita, a teoria mais aceita hoje é o neodarwinismo.

    E sobre o blog não estar pregando o pensamento crítico, veja assim: apesar de que pode ser interessante para algumas pessoas questionar o método cientifico, a definição de ciência e a participação da igreja nela, o blog deve estar pressupondo que os leitores já devem estar a par de séculos de história em que isso foi feito, SÉCULOS, e deve ter achado (o que eu concordo) que chega né, tá mais que na hora de passar pra frente, não dá pra voltar no ABC o tempo todo.

    ResponderExcluir
  3. Caro amigo, quero agradecer pelo espaço e por responder meu questionamento, mesmo não concordando com seu ponto de vista, respeito sua posição. Meu maior questionamento neste triste episódio da UNICAMP é o fato de viver num dos maiores países Cristão do mundo e este mesmo povo não ter o direito de se expressar numa Universidade Pública, onde os maiores pagadores de impostos são esses cristãos que vem tendo cerceado o seu direito de expressão, caso fosse uma universidade privada de ateus, jamais iria fazer tal questionamento. Todos têm o direito de não crer no criacionismo ou no inteligent design, mas cercear o direito de expressão que este povo tem numa universidade que é mantida pelos impostos deste mesmo povo, vocês não pode ter este direito. As maiores universidades dos EUA, como, Harward, Yale, Berkeley são protestantes, onde existem cursos de teologia que ensinam o criacionismo diariamente, portanto nem precisam desses fóruns pra expor no que acreditam, porém se a comunidade desejar a realização de tais fóruns, com certeza jamais cerceariam tais direitos, sejam de ateus ou de criacionistas. Agora você vem me dizer que os evolucionistas adquiriram este espaço por mérito e resultado? Quais são estes méritos e resultados? A ciência sim tem seus direitos, porém a evolução não possui tanto direito assim neste espaço mencionado, pois ciência e evolução são muito distintas, e é preciso ter muito mais fé pra crer na evolução do que crer no criacionismo.

    Lembrando que ainda hoje em dia, segundo pesquisa da Federação Mundial dos Cientistas, ela apresenta que 41% dos cientistas se declaram crentes em Deus. Existe ainda uma porcentagem grande deles que se declaram ao inteligent designer. Ainda temos uma lista enorme onde muitos outros, mesmo evolucionistas, ainda assim declaram sua fé nas Escrituras e no modelo criacionista-bíblico de nossas origens.
    Muitos desses cientistas, que poderia aqui citar uma infinidade de nomes tanto dos mais antigos quanto aos contemporâneos... um dia através do estudo da biologia, química, bioquímica, física e até da matemática, pra se ter idéia de probabilidades, tiveram a coragem de aceitar suas convicções; pois um físico em si só, jamais conseguiria chegar a lugar algum apenas no estudo da física, e assim também o biólogo ou químico e etc..., pois pra se ter uma idéia mais ampla sobre o assunto, se faz necessário o entendimento simultâneo de todas essas outras áreas de conhecimento... e eles chegaram a conclusão que por traz de tudo isso que nos cercam, sejam microscópicos ou macroscópicos, existe um Deus criador, dotado de infinita inteligência e que se relaciona com sua criação e os ama incondicionalmente e que deixou um manual de instrução à nós, a Bíblia Sagrada.

    ResponderExcluir
  4. Caro Márcio, temos realmente pensamentos diametralmente diferentes sobre o assunto. Considero que exatamente por a Universidade ser pública, é que não deve abrigar eventos religiosos de nenhum tipo. A Universidade é o espaço onde se produz pesquisa científica e ensina os métodos científicos através de seus cursos. Não deve ser espaço para para assuntos religiosos, porque para isso já existem as igrejas, comunidades etc...
    Conforme escrevi, o único objetivo de ter eventos religiosos com o símbolo de Universidade Pública é utilizar da credibilidade desta instituição como mais um ponto a favor do assunto. Acho errado, simplesmente isso.
    Já universidades privadas não nos faltam aqui no Brasil, e quando elas tem ligações com igrejas possuem cursos de suas respectivas religiões, teologia e etc... Para estas, apesar de ainda não achar certo misturar uma instituição que tem como objetivo desenvolvimento científico com ensinamentos religiosos, não tenho muito o que reclamar, porque elas cobram para ensinar e paga quem quer.

    ResponderExcluir
  5. Blz Marcio, vou falar só de alguns dos tópicos que você mencionou, ok?
    Sobre os méritos e resultados do newdarwinismo:

    * Todos os cachorros foram criados por seleção artificial, e vieram de uma unica espécie de lobo, o Canis lupis.
    * A genética tem sido muito importante para traçar um perfil dos motivos das bactérias estarem se tornando resistentes aos antibióticos. O problema é bastante atual e a evolução das bactérias está tendo efeitos bastante visíveis, como por exemplo, elas se tornando imune aos antibióticos.
    * No estudo do HIV tem também sido muito importante, um grande problema da doença é que ela se transforma muito rápido, muitas vezes gerando especies até diferentes, o coquetel atualmente são compostos de 3 remédios devido a velocidade rápida de evolução do vírus.
    * Criar novas especies de plantas e frutos é uma industria hoje em dia, e funciona, alias se você quiser mais provas, quando você for comprar uvas, compra das que vem sem semente, são fruto de seleção artificial, e são de acesso fácil a qualquer um.

    Todo mundo pode acreditar no que quiser, mas a ciência só aceita teorias baseadas em evidência, o evolucionismo não explica tudo, mas é a teoria que mais tem evidências a seu favor hoje em dia.
    Acho que no caso em questão, o criacionismo foi barrado da faculdade porque o fórum veio com o nome de Ciência das Origens, na intenção de falar sobre criacionismo, se tivessem tirado o nome ciência, acho que teríamos um resultado diferente. Os criacionistas tem feito um esforço razoável para serem chamados de Ciência sem passar pela comprovação científica, a faculdade cancelou na intenção de que não é uma ciência porque não tem evidencias, comprovadas por método científico, que suportam a sua teoria. Enquanto o criacionismo não andar pelas mesmas terras das outras teorias, ele não pode obter o mesmo título, se fosse um fórum sobre outra coisa, como religião, ai teríamos tido um resultado completamente diferente.

    Não achei nada na internet sobre esses 41% de cientistas que creem em deus e outros tantos em criacionismo (em porcentagem), nomes de cientistas criacionistas até tem mas todos que encontrei eram de outras áreas, e não biologia.

    Tudo que encontrei foi o que 41% eram ateus, 18% acreditavam em uma força maior e 33% acreditavam em deus, nenhuma menção ao criacionismo.
    Fonte: http://www.people-press.org/2009/07/09/section-4-scientists-politics-and-religion/

    Não é que eu não acredite que esse número exista, alias esse número nem é necessário para você manter o ponto de vista do que você está falando, mas eu estava curioso para ler mais a respeito na mesma fonte que você.

    " .... e Berkeley são protestantes, onde existem cursos de teologia que ensinam o criacionismo "
    Citação de Marcio Gonçalves

    :P

    ResponderExcluir
  6. Quanto às bactérias mencionadas, é um assunto muito longo, mas vou tentar resumir... Quando determinado antibiótico entra em contato com a colônia, muitas bactérias morrem, mas aquelas poucas que são resistentes sobrevivem e se reproduzem. Os seus descendentes também serão resistentes àquela substância.
    A resistência à antibióticos é um fato que atualmente gera grandes debates dentro da medicina. Quando os antibióticos foram descobertos, eram receitados antibióticos para quase todas as infecções bacteriológicas. Não se sabia dessa possibilidade, ou seja, das bactérias resistentes. Como os antibióticos tinham uma grande eficácia, eles eram amplamente receitados. De fato, na época os antibióticos acabavam com quase 90% das bactérias, e com grande facilidade. As bactérias resistentes eram poucas, e tinham que competir por alimento com outras bactérias não-resistentes, o que mantinha seu número pequeno. Porém, com os antibióticos, todas as bactérias sensíveis morrem, e deixam espaço para as resistentes. O resultado é que essas bactérias resistentes agora têm muito mais espaço e facilidade para se desenvolver, pois não tem mais a competição que as outras impunham. Agora irá se desenvolver uma linhagem de bactérias resistentes; em uma próxima infecção não irá adiantar mais aquele primeiro antibiótico, será necessário outro, e depois outro, e assim por diante.
    Esse é o problema para a medicina. No começo, quando os antibióticos foram descobertos, era muito fácil se controlar uma infecção por bactérias. Nos tempos atuais isso é um grande problema, pois a maioria das bactérias já é resistente à maioria dos antibióticos conhecidos. Existem linhagens de bactérias que são virtualmente invencíveis, ou seja, são resistentes à todos os tipos de antibióticos conhecidos. Felizmente são poucos os casos de infecções por estas bactérias, mas os que existem são praticamente incuráveis. Isso pode ser chamado de “seleção natural” ou “adaptação”, menos evolução.
    Quanto ao HIV é quase que a mesma coisa.

    Discordo completamente ao mencionar que evolução é a teoria que mais tem evidências a seu favor, pois a evolução ainda nem faz ideia de onde surgiu uma simples proteína, como querem explicar a macro evolução sem conhecer o beaba das coisas, pois como poderíamos nós explicar a linguagem se não conhecêssemos o alfabeto? Caso queira falar de biologia, vamos lá, é meu assunto preferido.

    Quanto ao fórum das origens cancelado, penso ter sido um grande erro da UNICAMP não ter convidado pensadores evolucionistas e do inteligent design, para que houvesse um debate em alto nível sobre o assunto, pois a ideia de fórum é exatamente essa, a pluralidade de pensamentos... e posso garantir que o pessoal criacionista convidado jamais iriam fazer proselitismo religioso por lá. E mais, se não se pode discutir ideias em uma universidade pública, ainda que no âmbito filosófico, vamos acabar de uma vez com as ciências humanas e nos restringir apenas aos laboratórios, pois a ciência não se limita a nada e não carrega preconceito algum, ciência não é uma pessoa, é apenas um método de entender a realidade... e existem 3 grandes métodos, onde o maior de todos e o qual as pessoas e inclusive os cientistas mais acreditam, é o modelo criacionista.


    ResponderExcluir
  7. Caso queira realmente informações ainda mais precisas das quais já mencionei a respeito de pesquisas (em porcentagem) dos cientistas criacionistas; veja este documentário: http://novotempo.com/evidencias/videos/video-o-misterio-da-existencia-2013/ e tire suas dúvidas a respeito; pois nele você encontrará as fontes destas pesquisas, tanto as mais remotas quanto as mais recentes sobre o assunto abordado, tratando ainda, dos cientistas menos e mais conceituados e renomados na ciência.

    Citei o nome de 3 universidades americanas, onde uma delas, a Universidade de Berkeley, na Califórnia, possui um programa acadêmico sobre “busca espiritual” (Spiritual Quest Program SSQ) e um “Center for Theology and the Natural Sciences”. Compensa dar uma olhada na página deles (http://www.ctns.org/ssq/) e ver como Berkeley discorda do que ocorreu na Unicamp e leva para o Campus coisas que vocês sugerem ficarem circunscritas aos limites de uma igreja ou instituição religiosa. William D. Phillips, ganhador do prêmio Nobel de Física, participou de vários eventos do SSQ e afirmou que a espiritualidade e a convicção religiosa mantida por cientistas deveriam ser assuntos mais bem explorados em universidades de renome.
    Outro programa de Berkeley em parceria com a prestigiada fundação John Templeton foi o “Science and the Spiritual Quest II” (SSQII), realizado em 2003. E antes dele, em 1988, uma conferência realizada pelo departamento de Física da Universidade de Berkeley reuniu vários especialistas em cosmologia para que eles apresentassem as implicações da espiritualidade em seus trabalhos acadêmicos e a riqueza de se fazer ciência sem deixar de ser religioso. Muitos compareceram como palestrantes, incluindo Allan Sandage, religioso praticante e ganhador do prêmio Gruber de Astronomia.

    A questão amigo, é que universidades católicas/adventistas/presbiterianas ou qualquer outra protestante, são confessionais, ou seja, todos que lá estudam, já sabem dos conteúdos antes de começar os estudos; a Unicamp porém, é uma universidade pública, portanto ela dever ser laica, sem posição em relação a religião; ela não é, e nem pode se declarar uma universidade de ateu, como é o que está parecendo.

    ResponderExcluir
  8. Marcio, esse vai ser meu ultimo posto sobre o assunto, acho que já se estendeu o suficiente.. se não mais.

    Sobre, bactérias, hiv, adaptação e evolução: se pequenas evoluções não são evidencia para comprovar as grandes evoluções cabe a ciência provar pelo método cientifico, o que não aconteceu (sobre a proteína, se for verdade, pessoas que estudam isso não acharam suficiente para desconsiderar a teoria).

    Sobre todo o esquema da reportagem do blog: para a Unicamp, o que importa é o que o movimento cientifico acredita, e o movimento cientifico adere as seguintes afirmações:

    * Criacionismo não é ciencia.
    * Neodarwinismo é a teoria mais aceita.

    A unicamp só está andando de acordo com as indicações do meio científico, por isso ela não permitiu que pessoas autoproclamem que criacionismo como ciência, se a discussão tivesse se classificado como Religiosa, a história seria diferente (que foi o que eu disse no primeiro post).

    Feliz ou infelizmente, o mundo acadêmico diverge de opinião com você (e com os criacionistas em geral), se você quer que o mundo acadêmico mude de opinião para a ciência só tem uma porta de entrada: o método científico.

    Ultima coisa, isso não é uma batalha ateus vs criacionistas, e não é uma batalha religiosa, isso é a ciência fazendo o que ela sempre tem feito, do jeito que ela sempre tem feito.

    Notas importantes:

    Não confundir CTNS com a Berkley university of california, elas ficam em Berkley mas são coisas diferentes, em sites diferentes:

    CTNS: http://www.ctns.org/ssq/
    Berkley: http://www.berkeley.edu/index.html

    Marcio, eu perguntei sobre os 41%, não sobre nomes de cientistas crentes, eu sei que existem cientistas crentes kra, não precisava perder 24 minutos olhando esse vídeo pra saber isso.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo,

      Assim como você, penso que com este comentário, podemos dar por encerrado nosso debate neste blog. A menos que queiram questionar mais alguma coisa e peçam minha resposta.

      Mesmo discordando de seus argumentos, compreendo seus questionamentos e mesmo sendo tão opostos nossos pensamentos, podemos discordar com respeito.
      Se você pensa e acredita dessa forma... paciência; pois jamais tive a intenção de publicar algo aqui e que isso fizesse com que você mudasse os seus pensamentos nesta questão, apenas me manifestei como um cidadão que se manifesta pra expor seu descontentamento, que paga seus impostos em dia e que tem o direito de reivindicar pelo que considera correto, e que quando sente esses direitos sendo tolhidos por uma pequena minoria de ateus que se autodenominam os donos da verdade absoluta e ambicionam total exclusividade pra ensinarem o que quiserem nas escolas e universidades ao seu bel-prazer, tem o direito de discordar de tal arbitrariedade.
      Pra vocês, quem vê as evidências que o criacionista vê é um iludido e quem não vê o que você mesmo está vendo é um alienado.
      Infelizmente, o evolucionismo hoje tomou conta de muitas cadeiras do saber, assim como a Posição Eclesiástica tomavam essas mesmas cadeiras na Idade Média e início da Idade Moderna.

      Chega ser irritante o fato de vocês repetirem toda hora que “criacionismo não é ciência”, parece um relógio de repetição... já me cansei de explicar que não ansiamos isso, vocês sim, parecem estar alienados pra isso provar; apenas queremos ter o direito de questionar algo que está muito distante de ser sistematizado. Existem muitos cientistas renomados que defendem que a evolução não é ciência, pois ela é um conto de fadas para adultos. Ela constitui um cenário totalmente não-científico e irracional, que sugere que a matéria inerte possui algum tipo de poder mágico e inteligência para criar formas de vida complexas... inclusive evolucionistas, como por exemplo, “Lord Solly Zuckerman”, que é um dos mais famosos e respeitados cientistas do Reino Unido e um dos mais competentes anatomistas da Inglaterra, em seus estudos e pesquisas extensivas feitas a respeito de várias espécies de Austrolopitecus, Zuckerman e o Prof. Charles Oxnard, mostraram que estas pertencem a duas espécies comuns de macacos, que se extinguiram e sem qualquer semelhança com os humanos.
      Ernst Mayr, um dos principais defensores da teoria da evolução do século XX, admite este fato dizendo que “a corrente alcançada até ao ponto de Homo sapiens está, na realidade, perdida.” Um paleontólogo da Universidade de Harvard, Stephen Jay Gould, explica esta encruzilhada da teoria da evolução, embora ele próprio seja um evolucionista: “No que se tornou a nossa escada se coexistiram três linhagens de homínideos (A.africanus, os robustos austrolopitecus, e H.habilis), nenhuma derivando claramente da outra. Além disso, nenhuma das três exibe quaisquer tendências evolutivas durante o seu período na terra”
      Em muitos casos a involução se apresentou muito mais coerente que a evolução.

      Quanto Berkeley, pense como quiser meu caro.

      Quanto à porcentagem de cientistas crentes, acho que você não assistiu ao mesmo programa que eu, pois neste programa que te indiquei, lá o Dr. Rodrigo Silva citou as fontes destas pesquisas de uma forma muito clara. Como diz o ditado “o pior cego é aquele que não quer ver”. Se você acha que é perca de tempo assistir um programa criacionista por 24 minutos, então não temos mesmo mais o que debater, pois num debate, é necessário conhecer muito bem o lado oposto, e dá pra perceber claramente que além de não conhecer o outro lado, você ainda faz questão em não conhecer, mostrando muito bem qual é o pensamento evolucionista quanto ao criacionismo, “não sei, nem quero saber e tenho raiva de quem sabe”. Voltamos aos primórdios mesmo...

      Que Deus abençoe a todos.

      Excluir