domingo, 30 de setembro de 2012

Eleições 2012 - Qual é o seu Representante?

É de se esperar que os integrantes da Câmara de Vereadores de qualquer cidade seja uma representação da sociedade que lhes elegeu. Sendo assim é normal que nesse grupo de eleitos tenha um percentual de representantes de uma certa crença, de uma certa raça, torcedores de um certo time, e etc.
 
O que acho estranho, e não concordo, é com candidatos tentando serem eleitos simplesmente porque são reprentantes de um certo grupo, sem mostrar nenhuma proposta de trabalho para quando forem eleitos. É só assistir o horário político que é facil identificar uma grande quantidade de candidatos se apresentando com a frase: "Sou representante da religião....." ou "Sou representantes da raça...." ou "Sou representante da torcida....."
 
Acho isso errado porque, mesmo sabendo que uma porcentagem desses grupos será eleito, não deveria ser por esse simples motivo. Porque se o único motivo do cidadão votar numa pessoa é porque ele é representante de um grupo em que ele se enquadra, então porque ele mesmo, ou qualquer outra pessoa desse grupo, não se cadidata?
 
Outro ponto é essa representação depois que o candidato é eleito. Ele é eleito para legislar pela cidade e não somente para um grupo. Se ele foi eleito sem nenhuma proposta de trabalho, só para ser representante de um grupo, o que ele fará depois de eleito? Leis que favoreçam o seu grupo de eleitores em detrimento aos outros grupos? Que tipo de estado vamos ter se isso virar regra?
 
E isso se torna um ciclo vicioso. O velho paradigma do ovo e da galinha. Existem tantos candidatos assim porque o povo vota neles, ou o povo vota neles por que eles são muitos e diluem o foco para os candidatos com propostas sérias para a cidade?
 
Na prática, isso acontece mesmo porque a nossa sociedade em geral ainda não entende o quanto é importante eleger um representante legislativo. Não se tem idéia clara do quanto um desses candidatos eleitos pode mudar a nossa vida para melhor ou para pior. E em geral, por conta dos próprios processos lentos da democracia, fica difícil mesmo para um eleitor entender uma relação de causa e efeito para alguma lei que venha a ser publicada 06 a 12 meses depois da posse.
 
Deveríamos escolher nossos representantes na Câmara que tenham proposta que considerássemos corretas para a nossa cidade e para a melhorar a convivência em sociedade. O time para o qual o candidato torce, a religião que ele frequenta, a cor da sua pele, não deveria ser relevante para que ele fosse eleito.
 
Mas para isso não tem remédio nem decreto que resolva. A única forma da sociedade desenvolver esse senso de responsabilidade é votando.  Só espero que dê tempo para aprender antes que seja tarde demais....