quinta-feira, 26 de abril de 2012

Cotas Raciais nas Universidades: Porque sou contra!


Hoje o STF julgou constitucional a política de cotas raciais na universidades. Na minha opinião isso foi um retrocesso imenso para nossa sociedade. Nós vamos ver reflexos negativos disso em um futuro bem próximo.

Antes de começar a expor os motivos que me levam a considerar isso um erro absurdo, quero primeiro expor um outro erro que está na nossa própria constituição. É o conceito de separação de raças. A nossa própria constituição faz menção a raças e inclusive agrupam os índios como uma delas. Esse conceito, por si só, já é errado.  Tenta definir o que é uma raça. Não deveriam haver raças na lei, nós somos todos seres humanos.

Obviamente as raças existem, mas o conceito de agrupamento de seres humanos por raças não deveria existir em legislação nenhuma. Isso porque a nossa variedade racial, brasileira e mundial, é imensa. E raça não é algo que é exatamente determinada, a subjetividade é enorme. E onde há subjetividade, há conflito! 

Como se determina a raça de uma pessoa morena? Pelo "tom da cor" de sua pela? E existe algum padrão comparativo para determinar a partir de que ponto ele pode ser considerado negro? Não, não existe, e tomara que nunca exista!

Agora entrando no assunto de cotas nas universidades....

O destino de ninguém deveria ser influenciado pela cor de sua pele. E essa decisão do STF vai exatamente contra isso. Dar um benefício a um grupo racial é o mesmo que tirar benefício dos outros grupos. É pender uma balança que deveríamos trabalhar para ser equilibrada.

"Ah, mas isso é uma compensação histórica pelos anos de escravidão no Brasil"
Essa conta não é só do Brasil, mas do mundo todo. Em todas as épocas existiram povos escravos de outros, na época da colonização do Brasil eram os negros africanos. O próprio desenvolvimento humano mundial acabou com isso.
Se alguma compensação deveria ser dada era para quem foi escravo mesmo, mas isso já é obviamente impossível. E até quando teremos que "pagar" essa conta?

"Ah, mas o negros não tiveram as mesmas oportunidades de estudar que os outros"
O caminho de ninguém é igual. Alguns realmente tiveram mais sorte do que outros. Dependendo da família em que você nasce, você tem mais ou menos chances. Mas não há nada mais democrático do que sentar numa cadeira de vestibular e disputar vaga de igual para igual. Lá é simples, se estudou e sabe a matéria, passa no vestibular e ponto final.
Ninguém deveria ficar culpando a sociedade e a família em que nasceu pelo seu destino. Sua família fez o melhor que pode para te dar de tudo. Se você não acha suficiente, vai ter que estudar mais do que o seu vizinho. Mas na hora da prova todo mundo é igual. (pelo menos era...)

Exemplificando a posição acima, se você nasce em uma família onde todos são baixos, no máximo 1,70 m. As suas chances de ser da mesma altura da sua famíla são grandes, portanto, se você quiser ser jogador de basquete vai ter que se esforçar muito, muito mais do que aquele seu amigo que tem 2,10 m de altura. Mas ninguém te dá "pontos" a mais porque você é baixo. Você ainda pode jogar basquete no time, mas vai ter que se esforçar a ponto de ser tão bom que compense a sua baixa estatura.

"Ah, mas isso é temporário, só para corrigir a distorção"
Aí entra de novo a subjetividade. De quanto é a distorção aceitável? E quem define esse número? É uma distorção de nível educacional ou de renda per capita?
A única condição onde nao existem dúvidas é a igualdade. Qualquer ponto fora disso entra na subjetividade e ficamos a mercê do que alguma autoridade "entende" que seja correto.


Em muito pouco tempo teremos mais negros entrando nas universidades devido a reservas de cotas. Eles vão conviver com outros estudantes num clima que já não é mais de igualdade. Acho isso uma pena.

E depois disso, eles vão sair da faculdade, entrar no mercado de trabalho e farão entrevistas de emprego. Será que a área de Recursos Humanos não irá querer saber se o negro que está formado na sua frente entrou pelo sistema de cotas? E será que esse RH não vai, inconscientemente, criar barreiras para estas pessoas?

Enfim, todos os seres humanos deveriam lutar pela igualdade, e não por compensações baseadas em "raças".


35 comentários:

  1. Esse texto é uma realidade, ninguém deve ser beneficiado pela sua cor, estatura, enfim.... Expressou a minha opinião acerca deste assunto!!!!

    ResponderExcluir
  2. Acho que é necessário ser um pouco cauteloso em relação a essa questão. Olhando para os negros hoje que vivem no Brasi e para situação em que se encontram o que se pode esperar deles? Que acabem metidos nas drogas, crime, violencia e etc. as qotas são uma forma de dar oportunidade a essa minoria de ter acesso a educação de qualidade e boas condições de vida futuras, Talvez devessem estudar mais do que o vizinho sim. Cade o professor que da aulas nas escolas da comunidade? cade os livros? Olhando para o quadro todo vejo como positiva a medida das qotas mas não deve ser definitiva, deve se levar para as comunidades educação de qualidade para que negros e brancos e todos habitantes que la moram possam competir com qualquer pessoa que teve uma educação melhor.

    ResponderExcluir
  3. Caro Freitas, temos opiniões diferentes nesse caso. Não tenho pouca esperança com relação ao negros. Aliás muito pelo contrário, Tenho vários amigos que lutam muito e têm se dado muito bem nas suas carreiras. Nunca dependeram de ajuda de ninguém e eles mesmos são contra essas cotas.
    Existem problemas graves no ensino público, mas todos sofrem esse problema,independente da sua cor.

    Como comentei, a cor da pele de uma pessoa não pode reduzir, e nem aumentar, as suas chances na sociedade.

    ResponderExcluir
  4. A verdade sem hipocrisia é que 50% das vagas nas universidades e concursos no Brasil são reservadas pra quem não tem a pele clara ou seja não precisa ser negro basta não ter a pele clara

    Ou você acha que caboclo é afrodescendente e pardo é negro para também usar essas cotas que segundo o governo é para afrodescendente?

    E se você acredita que o Brasil não esta sendo dividido por cores então acha que se um filho de egípcios de pele clara vier fazer vestibular no Brasil ele tem direito as cotas de afrodescendente?

    Ou que pessoas vindas da Índia e de Bangladesh para o Brasil não teriam direito as cotas por terem a pele morena?

    ResponderExcluir
  5. André, gostei muito do seu blog, parabéns! Pra mim a prova escrita, o vestibular, é o meio mais democrático de escolha dos candidatos. Para o papel, não importa a cor da sua pele, sua preferencia sexual, idade, etc. Importa se você sabe a resposta da pergunta. Simples assim. Sobre o racismo, deveria ser combatido toda a forma pejorativa, não somente o "preto", "neguinho", mas também o "gaúcho", "alemão", "gordo", e por aí vai... São formas de diminuir ou constranger o ser humano. E sua opinião? Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso tudo é meio relativo. "Gordo" é uma característica da mesma maneira que "magro". "Bonito" e "feio" são padrões de simetria versus gostos pessoais. Por que diabos eu não posso falar "preto" e, agora, sequer "negro", se nunca disse "alvo", "claro" ou qualquer eufemismo pra "branco".
      Nunca pensei ou vi brancos e negros como pessoas diferentes e, honestamente, não sei exatamente de onde parte esse racismo que, ao meu ver, é absolutamente idiota. Vejo, sim, ele partindo de todos os lados. Existem pessoas que se separam e vivemos em um ciclo vicioso de ode ao politicamente correto que me dá calafrios.
      Por que diabos ser gordo há de ser uma ofensa?!?
      Tem que aprender a diferenciar. Uma coisa é descrever como negro (ou preto, que seja), do mesmo jeito que se diz alto, baixo, branco, loiro, moreno, careca, cabeludo, rei, capitão... Enfim. Outra coisa é chamar o sujeito de macaco ou de baleia e dizer que ele é pior porque tem a pele, o cabelo, a roupa ou qualquer coisa que seja diferente da sua. É questão de respeito ao ser humano. Não confundam as coisas!
      E dívida por dívida, dívida maior temos com os animais, que chegaram aí bem antes da gente e, com nossos belos polegares opositores, botamos pra f... em cima deles.
      Mas a evolução nos deu polegares opositores e, se formos seguir por aí, a querela nunca terá fim.
      Por isto que processos seletivos, legislações e todas as questões referentes à relação do Estado com o Cidadão devem ser idôneas, imparciais, laicas e, preferencialmente, anônimas.

      Excluir
  6. Concordo com você Fernando. Certamente também existe discriminação em relação ao gordo, ou ao feio, ou a vários outros adjetivos que se criam para segregar grupos. Acho que só a educação da nossa sociedade vai diminuir isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernando se os afrodescedentes forem esperar que mudem pelo estado,com investimentos na educação e outros setores, isso pode levar décadas. As cotas vieram apenas para acelerar esse processo de inclusão social. Precisamos olhar um pouco mais para a nossa historia e assim entender que é preciso cotas para incluir o preto pobre da escola pública.

      Excluir
    2. E as cotas para o branco que teve seus pais mortos num assalto quando ele tinha seis anos e ferrou com a vida dele? Ele foi vítima de violência porque o Estado estava ausente.

      E o alemão que tem dislexia e tem que estudar muito mais do que qualquer um pra conseguir o mesmo resultado? Ele nasceu assim pelo mesmo motivo do negro ter pele escura, genética.

      Grupos que tem dificuldades é que não faltam? Podemos enumerar infinitos deles. Cada um tem seu carma e seu caminho e deveria ser tratado como igual, principalmente pelo Estado. E cotas é exatamente o oposto disso!!!

      Excluir
    3. Aí, eu já não concordo com o Jorjão! E onde fica o branco pobre? É fato que no Brasil existem muitos. Não são só negros pobres. Concordo com a inclusão social para a classe pobre (independente da cor), porque não há nada que comprove a relação da cor preta com falta de inteligência e capacidade!

      Excluir
  7. O comentário abaixo foi postado por Carlos de oliveira e não saiu publicado.... Segue o texto na integra...

    "Discordo de você neste ponto, tão importante e necessário para o nosso país.

    Acredito que vc fica espantadado por um negro ser Presidente dos EUA...Fica contente qdo. um negro tem "sucesso" em sua vida.
    mas, te pergunto quantos professores Negros vc conhece?
    quantos gerentes de banco Negros vc conhece?
    Quantos empresários Negros vc conhece?
    Quantos apresentadores de TV Negros vc conhece?
    Quantos juízes, desembargadores, ministros, Negros vc conhece?

    Porque será que não vemos tantos Negros ocupando esses cargos se todos possuem a mesma oportunidade, possuem as mesmas condições, será que possuem mesmo??

    Ahhh..como ficamos contentes quando um Negro consegue se superar e quebrar a barreira do preconceitoo..

    Até quando teremos que ficar contentes...ou será que podiamos fazer algo? Para ao invés de ficarmos contentes..acharmos isso normal??..."

    Carlos de Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado! Conheço um comentário bem parecido com esse, que foi postado no facebook! Será que colaram? E o mais engraçado é que lá, também estava sem foto!!!

      Excluir
    2. quantos professores Negros vc conhece? - Vários, bons e ruins. Assim como os brancos, gays, hetero, casados, solteiros, jovens, idosos, gordos, magros, altos, baixos... Já tive professores de todas as características que você conseguir mencionar, estudei em excelentes escolas e universidades e posso nomear professores bons e ruins com quaisquer das características acima. Mas a grande maioria era formada por bons professores, afinal estudei em excelentes escolas. ;)

      quantos gerentes de banco Negros vc conhece?
      Nenhum, não conheço nenhum gerente de banco. Mas nos bancos que freqüento, converso com pessoas engravatadas de todas as cores. Sou cliente do Banco do Brasil e lá dentro todo mundo é concursado. O processo seletivo não faz essa diferenciação que você está fazendo.

      Quantos empresários Negros vc conhece?
      Vários. Muitos mesmo. O que faz um empresário não é a melanina, é o CNPJ.

      Quantos apresentadores de TV Negros vc conhece?
      Você não assiste muita TV, né..? Existem muitos, inclusive alguns dos mais famosos. Manja a Oprah Winfrey?

      Quantos juízes, desembargadores, ministros, Negros vc conhece?
      Não conheço nenhum desembargador, ministro nem juiz (mentira, conheci uma juíza aposentada num avião uma vez), mas os que vejo na TV, tanto na ficção quanto em documentários e transmissões ao vivo têm todo tipo de etnia, ascendência, origem social, histórico político, estatura, tipo físico e caráter.


      Quem está segregando aqui, hein?

      Excluir
  8. Concordo que o ponto de partida, em geral, é historicamente mais difícil. Por isso acaba chamando mais atenção o sucesso destas pessoas, que mesmo com um ponto de partida ruim conseguiram ir longe em suas carreiras.
    Não estou dizendo que não existem dificuldades. Estou dizendo que cada um nasceu em um país, uma cidade, uma família que lhe deu mais ou menos condições iniciais. Mas a partir daí a história é de cada um. E para isso ser justo só tendo a mesma regra para todos, independente de quem você é, muito menos da cor da sua pele.
    Ontem vi na TV que até 2014 50% das vagas nas universidades públicas serão destinadas a cotista. Ou seja, além de criar uma desigualdade por decreto, ainda estabelecem uma porcentagem grande para isso.
    Na minha opinião isso é um erro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E que erro! A meu ver, o problema é que o governo deu um "CALA BOCA" a fim de amenizar as reivindicações (e muitos vêem isso como uma vitória), ou seja, aceitam, ainda hoje, a pior demonstração de racismo vista até aqui.

      Excluir
    2. E Silvio Santos? E Steve Jobs? Começaram nas trevas, pobres e miseráveis. Um era camelô e vendia mágicas no viaduto do Anhangabaú. O outro dormia no chão do dormitório dos colegas e fazia aula como ouvinte porque não podia pagar a faculdade e montou uma empresa de computadores na garagem de casa. Eles são menos admiráveis que Barack Obama? Johnny Depp era garçom. Por que ele é pior que, sei lá, a Halle Berry?
      Morgan Freeman, Whoopy Goldberg, Eddie Murphy..! Quer mais provas que o fato de negros serem competentes não deveria ser surpresa..?

      Excluir
  9. Acho interessante que os italianos serviram de "mão de obra", remunerada sob um sistema onde ficavam devendo mais do que recebiam, numa escravidão não declarada, e esse povo, por ser "branco", não entrou na política de cotas, e ai?! Quantos não passaram fome para estudar e se formar em uma universidade?
    A política de cotas veio para permitir que, provisoriamente fossem corrigidas as distorções, mas a mesma já existe desde 2001, e nada vem sendo feito nas bases da educação para que as cotas deixem de ser necessárias, somente perpetuando a baixa qualidade do ensino no Brasil, que tanto nos envergonha........

    ResponderExcluir
  10. O problema é muito complexo. Do ponto de vista humanitário, parece justo que temporariamente haja esta cota para negros. Mas... o problema é que haverá muitos que pensarão que se ele está menos preparado para a universidade que os que não se beneficiam pelas cotas, certamente será um profissional menos qualificado. Ruim para ele, que pode ser discriminado no futuro, e para o negro que ralou muito e poderia ter entrado mesmo sem ser negro. Ficou nivelado como se fosse cotista, e nada assegura de que não vá ser discriminado no futuro. Por outro lado, se haverá menos qualificação prévia em quem entra nas faculdades, estas nivelarão por baixo o ensino? estarão preparadas para corrigir a deficiência em preparação dos alunos? Ou haverá "cotas" nas notas, e os cotistas poderão pedir condições diferenciadas nas avaliações, já que as tiveram para poder entrar na faculdade? E se o nível do ensino cair (mais) e forem todos prejudicados com isso, incluindo a sociedade que terá profissionais menos qualificados? E estas pessoas que certamente precisarão de mais ajuda financeira para se formar, terão acesso a esta ajuda? Estamos preparados para isso? Ou terão que desistir no meio do curso, por falta de meios para se sustentarem? O desafio é imenso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixo, aqui, uma singela e humilde opinião: Aquele que acredita na sua inteligência e capacidade (mesmo que seja, negro, pardo ou índio), prove-a negando-se a participar desse sistema de cotas. Mostre para o governo que não precisa das migalhas oferecidas por ele. Corra atrás, vá a luta, esforce-se e seja feliz, com a certeza da vitória por mérito próprio, sem depender de favores e, principalmente,não deixar dúvida sobre a sua capacidade, perante a sociedade> Mas, é claro somente uma opinião!

      Excluir
  11. Eu também sou contra Cotas Raciais, pois ninguém deve ser avaliado por pertencer a uma raça, classe ou algo do gênero, sou do tempo em que o empenho e desempenho era medido pela capacidade do ser humano de superar as dificuldades e vencer pelo próprio mérito, e não ser favorecido em uma determinada situação, e depois ter que passar todo tempo provando o quanto é competente em uma função, ou alguém acha que não haverá discriminação com os que se formarem bacharel ingressando através de cotas nas universidades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábias palavras, José Luiz! Sabemos que para toda ação há uma reação. Porém, nesse caso (cotas), são duas reações: Acredito que aquele que é esforçado, dedicado, íntegro e honesto vai optar por não usufruir dessa regalia (mesmo tendo direito); já aquele que gosta mais de vida mansa, aproveitar as oportunidades, tirar um proveito da situação, vai aceitar essa "ajuda" do governo. Obs.: Não é para generalizar, é só minha opinião!

      Excluir
  12. Comentários de anônimos não serão publicados. Estranho, porque tem comentário de "Anônimo" publicado nesse blog, sim! Verifique, por gentileza! Um abraço!!!

    ResponderExcluir
  13. Assim como muitos que eu conheço, também sou contra as cotas raciais. O que está sendo feito é o mais escancarado modo de discriminação, colocando o negro, como se ele não fosse capaz de disputar uma vaga de forma igual aos de pele diferente das sua. Muitos, colocam o fato, como se as outras pessoas jamais tivessem sofrido qualquer tipo de preconceito... Ora, que nunca sofreu bullying alguma vez na vida? Por ser, gordo, magro, bonito, feio.... Conforme foi postado por um "aninimo" , Quantos professores Negros vc conhece?quantos gerentes de banco Negros vc conhece? Quantos empresários Negros vc conhece? Quantos apresentadores de TV Negros vc conhece?Quantos juízes, desembargadores, ministros, Negros vc conhece? Então, agora eu pergunto: Quantos deficientes em um desses cargos vcs conhecem? E quantos obesos? E gays? Será que futuramente teremos que pagar dividas com esses também? Um país de igualdade, não começa com separação!

    ResponderExcluir
  14. Também sou contra as cotas raciais. Tenho tratado da questão da exclusão social dos "euro-descendentes", ou seja, milhões de brasileiros pobres, descendentes de imigrantes, que não possuem cotas e nem condições, e portanto continuarão excluídos. Já imaginaram uma matéria em jornais europeus, dizendo: "Euro-descendentes são excluídos no Brasil, o país resolveu privilegiar os pobres da raça negra, e fechou os olhos para os pobres que descendem de europeus". Aos que se interessarem, tenho um artigo, intitulado "João Branco Sem Cota". Link: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/4032348
    Eron Levy

    ResponderExcluir
  15. Tentarei ser o mais fiel possível. Segue aí um depoimento: "É, Gustavo, quero saber a sua opinião sobre uma coisa... Você sabe que eu não ganho um salário bom. Decidi pagar para o meu filho uma escola particular para que ele pudesse ter uma educação decente, já que as escolas públicas são uma vergonha. Posso te garantir que dei o meu sangue para conseguir pagar as mensalidades em dia. O meu filho também se esforçou muito. Foram noites e noites em cima dos livros. Ele deu valor ao meu sacrifício. Passado esse processo todo, adivinha o que aconteceu? Ele ficou de fora. O que revolta é saber que estaria bem classificado se não fosse essa vergonha que inventaram. Meu filho está frustrado! Você acha isso certo? Seja sincero!" O erro de quem defende as cotas é achar que esse sistema é pautado em ricos X pobres, negros X brancos. Há muito pobre e negro que estariam estudando em uma federal por mérito, e não por causa de uma medida, que obviamente é de cunho eleitoreiro. Se o FHC ou o Lula tivesse preocupação com a Educação no Brasil, as cotas, hoje, não seriam necessárias! Ah (em tempo), o depoimento, em questão, partiu de um homem negro e pobre. (Ele não aceita que o filho seja favorecido por ter uma pele mais escura).

    ResponderExcluir
  16. Tentarei ser o mais fiel possível. Segue aí um depoimento: "É, Gustavo, quero saber a sua opinião sobre uma coisa... Você sabe que eu não ganho um salário bom. Decidi pagar para o meu filho uma escola particular para que ele pudesse ter uma educação decente, já que as escolas públicas são uma vergonha. Posso te garantir que dei o meu sangue para conseguir pagar as mensalidades em dia. O meu filho também se esforçou muito. Foram noites e noites em cima dos livros. Ele deu valor ao meu sacrifício. Passado esse processo todo, adivinha o que aconteceu? Ele ficou de fora. O que revolta é saber que estaria bem classificado se não fosse essa vergonha que inventaram. Meu filho está frustrado! Você acha isso certo? Seja sincero!" O erro de quem defende as cotas é achar que esse sistema é pautado em ricos X pobres, negros X brancos. Há muito pobre e negro que estariam estudando em uma federal por mérito, e não por causa de uma medida, que obviamente é de cunho eleitoreiro. Se o FHC ou o Lula tivesse preocupação com a Educação no Brasil, as cotas, hoje, não seriam necessárias! Ah (em tempo), o depoimento, em questão, partiu de um homem negro e pobre. (Ele não aceita que o filho seja favorecido por ter uma pele mais escura).

    ResponderExcluir
  17. Primeiramente, parabéns, seu bolg é incrível. Da mesma forma, sou contra ao sistema de cotas raciais, pois, como muitos já argumentaram é um disparate avaliar um candidato pelo tom de sua pele. Em contrapartida acredito que cotas sociais sejam um bom começo para mudar o fluxo da educação brasileira, mas o problema é que muitos dos alunos que recebem esse benefício(alguns, não generalizando) acabam por não ter rendimento em seus respectivos cursos, pois veem o sistema de cotas como uma porta mais acessível para entrar na universidade e acabam esquecendo do que terão de enfrentar para ter uma boa qualificação profissional. Por outro lado, há também alunos esforçados, que lutaram e exigiram de si próprios para garantirem seu lugar na sociedade moderna, mas que não conseguem conciliar o estudo, pois, apesar de conseguirem oportunidade, alguns deles precisam trabalhar para manter seu subsídio. Enfim, acredito que cotas sociais diminuiriam (apesar de em mínima diferença) um grande problema na educação brasileira, mas também acredito que somente essa iniciativa não causaria efeitos esperados, é preciso avaliar candidatos desde o início de sua "trajetória escolar", analisar seu rendimento e assim avaliar, e não decidir se um aluno entra ou não em uma universidade através de uma prova realizada após sua formação, é claro que concordo que as provas servem como um sentido de avaliação do candidato, só digo que o aluno deve gostar de estudar para se tornar um bom profissional, e não se matar de esforço durante meses, anos para enfim conseguir sua tão desejada e "batalhada" vaga. Digo que as cotas diminuirão o déficit da educação, porém, o governo tem um papel fundamental, utilizar dos recursos, tal qual nós mesmos contribuímos, para aumentar a qualidade da educação brasileira, e assim formar profissionais para que estes possam fazer mais pelo futuro de nosso país".

    ResponderExcluir
  18. O cotista parou de estudar, pelo simples fato de ser cotista, e o não-cotista vê-se obrigado a estudar muito mais!

    Um exemplo: são 40 vagas total do 1º a 20º colocado só dá não-cotista da 21º a 40º cotista a diferença em pontos entre o 20º e o 21º é gritante.

    Assim fica: se o 20º(último col. não-cotista)fez 60 pts e o 21º(primeiro col. cotista)fez 45 pts. O não-cotista que fez 46,47,48,49,50,51,52,53,54,55,56,57,58,59 pts está REPROVADO!!!mesmo acertando até 10% a mais de questões que o cotista!! Será que o conhecimento realmente está sendo medido ?

    ResponderExcluir
  19. 1/CARLOS DE ASSUMPÇÃO – O maior poeta negro da historia do Brasil autor do poema o PROTESTO Hino Nacional da luta da Consciência Negra Afro-brasileira, em celebração completou 87 anos de vida. CARLOS DE ASSUMPÇÃO nasceu 23 de maio de 1927 em Tiete-SP na sexta feira passada completou 87 anos de vida com sua família, amigos e nós da ORGANIZAÇÃO NEGRA NACIONAL QUILOMBO O. N. N. Q. FUNDADO 20/11/1970 (E diversas entidades e admiradores parabenizam o aniversario de 87 anos do mestre poeta negro Carlos Assumpção) tivemos a honra orgulho e satisfação de ligar para a histórica pessoa desejando felicidades, saúde e agradecer a Carlos de Assunpção pela sua obra gigante, em especial o poema o Protesto que para muitos é o maior e o mais significante poema dos afros brasileiros o Hino Nacional dos negros. “O Protesto” é o poema mais emblemático dos Afros Brasileiros e uns das América Negra, a escravidão em sua dor e as cicatrizes contemporâneas da inconsciência pragmática da alta sociedade permanente perversa no Poema “O Protesto” foi lançado 1958, na alegria do Brasil campeão de futebol, mas havia impropriedades e povo brasileiro era mal condicionado e hoje na Copa Mundial de Futebol no Brasil 2014 o poema “O Protesto” de Carlos de Assunpção está mais vivo com o povo na revolução para (Queda da Bas. Brasil.tilha) as manifestações reivindicatórias por justiça social econômica do povo brasileiro que desperta na reflexão do vivo protesto.
    O mestre Milton Santos dizia os versos do Protesto e o discurso de Martin Luther King, Jr. em Washington, D.C., a capital dos Estados Unidos da América, em 28 de Agosto de 1963, após a Marcha para Washington. «I have a Dream» (Eu tenho um sonho) foram os dois maiores clamores pela liberdade, direitos, paz e justiça dos afros americanos. São centenas de jornalistas, críticos e intelectuais do Brasil e de todo mundo que elogia a (O Protesto) (Manifestação que é negra essência poderosa na transformação dos ideais do povo) obra enaltece com eloquência o divisor de águas inquestionável do racismo e cordialidade vigente do Brasil Mas a ditadura e o monopólio da mídia e manipulação das elites que dominam o Brasil censuram o poema Protesto de Carlos de Assunpção que é nosso protesto histórico e renasce e manifesta e congregam os negros e todos os oprimidos, injustiçados desta nação que faz a Copa do Mundo gastando bilhões para uma ilusão de um mês que poderá ser triste ou alegre para o povo brasileiro este mesmo que às vezes não tem ou economiza centavos para as necessidades básicas e até para sua sobrevivência e dos seus. No Brasil
    .
    Organização Negra Nacional Quilombo ONNQ 20/11/1970 –
    quilombonnq@bol.com.

    ResponderExcluir
  20. 2/
    Poema. Protesto de Carlos de Assunpção

    Mesmo que voltem as costas
    Às minhas palavras de fogo
    Não pararei de gritar
    Não pararei
    Não pararei de gritar

    Senhores
    Eu fui enviado ao mundo
    Para protestar
    Mentiras ouropéis nada
    Nada me fará calar

    Senhores
    Atrás do muro da noite
    Sem que ninguém o perceba
    Muitos dos meus ancestrais
    Já mortos há muito tempo
    Reúnem-se em minha casa
    E nos pomos a conversar
    Sobre coisas amargas
    Sobre grilhões e correntes
    Que no passado eram visíveis
    Sobre grilhões e correntes
    Que no presente são invisíveis
    Invisíveis mas existentes
    Nos braços no pensamento
    Nos passos nos sonhos na vida
    De cada um dos que vivem
    Juntos comigo enjeitados da Pátria

    Senhores
    O sangue dos meus avós
    Que corre nas minhas veias
    São gritos de rebeldia

    Um dia talvez alguém perguntará
    Comovido ante meu sofrimento
    Quem é que esta gritando
    Quem é que lamenta assim
    Quem é

    E eu responderei
    Sou eu irmão
    Irmão tu me desconheces
    Sou eu aquele que se tornara
    Vitima dos homens
    Sou eu aquele que sendo homem
    Foi vendido pelos homens
    Em leilões em praça pública
    Que foi vendido ou trocado
    Como instrumento qualquer
    Sou eu aquele que plantara
    Os canaviais e cafezais
    E os regou com suor e sangue
    Aquele que sustentou
    Sobre os ombros negros e fortes
    O progresso do País
    O que sofrera mil torturas
    O que chorara inutilmente
    O que dera tudo o que tinha
    E hoje em dia não tem nada
    Mas hoje grito não é
    Pelo que já se passou
    Que se passou é passado
    Meu coração já perdoou
    Hoje grito meu irmão
    É porque depois de tudo
    A justiça não chegou

    Sou eu quem grita sou eu
    O enganado no passado
    Preterido no presente
    Sou eu quem grita sou eu
    Sou eu meu irmão aquele
    Que viveu na prisão
    Que trabalhou na prisão
    Que sofreu na prisão
    Para que fosse construído
    O alicerce da nação
    O alicerce da nação
    Tem as pedras dos meus braços
    Tem a cal das minhas lágrima
    Por isso a nação é triste
    É muito grande mas triste
    É entre tanta gente triste
    Irmão sou eu o mais triste

    A minha história é contada
    Com tintas de amargura
    Um dia sob ovações e rosas de alegria
    Jogaram-me de repente
    Da prisão em que me achava
    Para uma prisão mais ampla
    Foi um cavalo de Tróia
    A liberdade que me deram
    Havia serpentes futuras
    Sob o manto do entusiasmo
    Um dia jogaram-me de repente
    Como bagaços de cana
    Como palhas de café
    Como coisa imprestável
    Que não servia mais pra nada
    Um dia jogaram-me de repente
    Nas sarjetas da rua do desamparo
    Sob ovações e rosas de alegria

    Sempre sonhara com a liberdade
    Mas a liberdade que me deram
    Foi mais ilusão que liberdade

    Irmão sou eu quem grita
    Eu tenho fortes razões
    Irmão sou eu quem grita
    Tenho mais necessidade
    De gritar que de respirar
    Mas irmão fica sabendo
    Piedade não é o que eu quero
    Piedade não me interessa
    Os fracos pedem piedade
    Eu quero coisa melhor
    Eu não quero mais viver
    No porão da sociedade
    Não quero ser marginal
    Quero entrar em toda parte
    Quero ser bem recebido
    Basta de humilhações
    Minh'alma já está cansada
    Eu quero o sol que é de todos
    Ou alcanço tudo o que eu quero
    Ou gritarei a noite inteira
    Como gritam os vulcões
    Como gritam os vendavais
    Como grita o mar
    E nem a morte terá força
    Para me fazer calar.
    Organização Negra Nacional Quilombo ONNQ 20/11/1970 –
    quilombonnq@bol.com.

    ResponderExcluir