sábado, 19 de abril de 2014

Planeta Similar a Terra Descoberto na Constelação de Cygnus

Essa semana todos os jornais comentaram a notícia de que tinham encontrado um planeta do tamanho da Terra em um sistema na constelação de Cygnus. O planeta foi batizado como Kepler-186F. Confesso que não entendi toda essa cobertura por conta do descobrimento de um planeta, já que foram confirmados mais de 1800 planetas fora do Sistema Solar. No entanto parece que este é o que está em uma distância da sua estrela que o coloca dentro de uma zona habitável, ou seja, um planeta que recebe luz suficiente da sua estrela para manter água em estado líquido e nem tão quente para fazer toda água evaporar. 

O que notei quando essa notícia estava sendo divulgada, é que praticamente todos os jornais televisivos davam a notícia acompanhada de uma imagem que eu reproduzo abaixo. De um planeta similar a Terra. Só que ele não falavam que isso era uma arte, e não uma fotografia do planeta descoberto. Se você acha que ninguém acreditaria que aquela arte gráfica fosse uma foto mesmo é porque você já tem um conhecimento científica acima do básico I, porque eu vi gente comentando sobre as diferenças de cores entre o planeta descoberto e a Terra. 



Então, só para deixar claro, existem milhares de planetas já descobertos em sistemas estelares distantes, mas não existem fotos de planeta nenhum. Para descobrir um planeta que orbita uma estrela o que se faz é apontar um telescópio para uma região fixa do céu por alguns anos. No caso aqui foi o telescópio Kepler que estava fazendo essa função monitorando 150 mil estrelas entre as constelações de Lira e Cygnus. Como esses telescópios são muito sensíveis, qualquer variação da quantidade de luz de uma estrela pode ser captada e medida por ele. E se essa variação tem um valor fixo e frequente, se entende que o que está bloqueando a luz é um planeta passando na frente da estrela. 

Em geral também se sabe o tamanho e as distâncias das estrelas que estão sendo monitoradas, sendo assim é possível saber qual o tamanho de um eventual planeta que esteja orbitando e bloqueando a luz da estrela. Pela velocidade de transição também é possível saber a distância do planeta em relação a sua estrela. Não dá para saber a densidade do planeta, se ele tem atmosfera ou não, qual a composição do planeta e nem muitas outras informações. De modo que um planeta marronzinho com nuvens fica por conta do artista!!! 

Algumas notícias sobre essa descoberta estavam mais completas. Um exemplo desse tipo foi a do O Globo. Já outras, como a da Info Exame não deixa claro que a imagem é uma arte.

Agora saindo um pouco da mídia geral é possível encontrar sites com boas bases científicas sobre o assunto. Recomendo para uma primeira visita o site The Habitable Zone, que é mantido pelo astrônomo Stephen Kane, um dos responsáveis também por encontrar o Kepler-186F. Nesse site ele demonstra alguns resultados da sua pesquisa em exoplanetas e possui algumas informações bem interessantes, como o tamanho dos planetas encontrados e o respectivo fluxo de energia que recebem de suas estrelas, comparando sempre com a Terra.



Logo na pagina inicial está escrito que eles já encontraram 53 planetas dentro da tal Zona Habitável.