segunda-feira, 9 de julho de 2012

Bosón de Higgs encontrado!.. e por aqui...

Foto: Veja.com
Nossa geração está acompanhando momentos importantes da história da física. A descoberta do bóson de Higgs será marcado nos livros de história por muito tempo, já que era a única partícula que ainda não tinha sido encontrada e estavam atrás dela há mais de 30 anos.

A nóticia já foi bastante noticiado pela mídia. Para quem não leu nada ainda recomendo o link da Veja, que tem até um filme do Fermilab com legendas explicando porque o bóson de higgs é importante. Mas o que queria ressaltar aqui é o caminho percorrido para que isso fosse possível.

Uma das formas de estudar a física de partículas é contruindo aceleradores que as façam chocar entre si. Dessa forma elas se "quebram" em várias outras partículas que podem se monitoradas pelos equipamentos. O mais famoso desse aceleradores foi o Tevatron, do laboratório Fermilab nos Estados Unidos. Este acelerador não conseguia gerar energia suficiente para produzir colisões que gerassem partículas com energia igual ao que estava teoricamente prevista para o bóson de Higgs. Por este motivo foi então construído o LHC (Large Hadron Collider) na fronteira da Suíça com a França.

Este sim um empreendimento memorável. São 27 Km de diâmetro subterrâneo a um custo de $ 10 Bilhões. A construção começou na década de 90! Vale notar que os governos investiram esse dinheiro para pesquisa, e que apesar de se ter na época forte indícios que o empreendimento poderia encontrar o bosón de Higgs, ainda havia um nível de incerteza que ronda em qualquer pesquisa científica. Se o modelo não estivesse completamente correto, por exemplo, talvez o bosón de Higgs nem existisse mesmo!

Ter  encontrado a partícula após um empreendimento que dispendeu tanto esforço, teórico e financeiro, é como receber uma medalha de reconhecimento da natureza. Obviamente o LHC poderá ser usado para outras pesquisas e ainda poderá providenciar outras descobertas sobre a física de partículas. Mas o objetivo principal para o qual ele foi construído foi atingido.

Enquanto isso.... longe da Suíça... nas terras tupiniquins... Nossos professores universitários estão há mais de 50 dias em greve pleiteando melhores salários. Se não temos dinheiro para pagar salários aos professores, como é que queremos entrar na elite da ciência mundial? Por isso nossos pesquisadores precisam sair do país e trabalhar em centros de pesquisas americanos e europeus. O que é melhor do que ficar tentando por  aqui. Pelo menos a humanidade como um todo se beneficia do conhecimentos destes pesquisadores.