segunda-feira, 13 de abril de 2009

Velocidade da luz é intangível.

Muitos amigos cientistas e futuros cientistas às vezes levantam discussões homéricas sobre o assunto: Velocidade da Luz.

Sendo assim quero colocar mais pimenta nessa discussão e acrescentar com idéias científicas para melhorar o nosso conteúdo.

Acredito que deve se ter em nossas mentes que a Natureza tem suas próprias características. Cada elemento químico é facilmente reconhecido por suas propriedades, formas, estados físicos e suas reações.
Assim como a água tem a característica de ponto de ebulição a temperatura 100ºC a velocidade possui uma característica de nunca alcançar a velocidade da luz (c) de 300.000km/h.

Isso pode parecer muito estranho para nós que vivemos no mundo newtoniano há séculos e ainda não conseguimos mergulhar de cabeça no mundo einsteniano por ser uma descoberta recente com pouco mais de 100 anos.

Você sabia que você nunca saiu do lugar?
Isso mesmo, desde que você se entede por gente você nunca se movimentou.
Tudo chegou até você.
Quando você acorda cedo e acha que levantou da cama, na verdade foi a cama que foi para baixo.
Se você até hoje pensou que foi ao banheiro escovar os dentes pela manhã, já deve ter percebido que na verdade foi o banheiro que foi até você e sua mão foi até sua boca para escovar os dentes.

Então veja, se colocarmos o nosso referencial nos seus olhos, em nenhum momento você se deslocou para lugar algum. Mas todo o mundo vive em deslocamento ao seu redor.

Mesmo que você esteja em um avião supersônico com o velocímetro marcando 600 km/h para sua frente, no seu referencial o avião está parado mas o mundo está a 600 km/h indo na direção contrária.

Simples, não?


Característica da velocidade
Como já dissemos, a velocidade possui a cacterística de nunca ultrapassar a velocidade da luz (c).
Então, mesmo que você esteja numa nave espacial sempre acelerando de forma constante, seu velocímetro marcará aumento de velocidade enquanto estiver longe de (c), mas essa aceleração vai diminuindo ao passo que vai se aproximando de (c) criando uma curva assintótica em (c).
Lembramos que para você sua nave espacial nunca se move, mas o universo ao seu redor é que se move com velocidade assintótica em (c).


Se o Sol apagar agora...
Se você um dia ver o sol apagar como se alguém tivesse desligado-o da tomada, sem qualquer eclipse, certamente estará vendo um evento que ocorreu por volta de 7 a 8 minutos atrás. Isso porque o sol está a uma distância de 7 a 8 minutos luz. Logo o último fóton emitido pelo sol, deverá caminhar na velocidade assintótica de (c) em direção a Terra e chegará por volta desse tempo.

Se o campo gravitacional do Sol deixar de existir...
Se você está girando uma pedra presa numa corda e de repente essa corda se rompe a pedra sai imediatamente pela tangente.
Certamente acreditamos que se o Campo Gravitacional, que prende todo o sistema solar ao astro Sol, acabar, todos os planetas e corpos celestes presos pela gravidade do Sol deveriam sair pela tangente de suas órbitas no momento em que o campo deixasse de existir.
Mas isso não acontece....

Por quê?

Porque já sabemos que nada pode viajar mais rápido do que a velocidade da luz.
Sendo assim, se o campo gravitacional acabar, não poderia fazer com que os corpos celeste se desgrudassem imediatamente, pois isso seria o mesmo que mandar a informação sobre o fim do campo gravitacional a uma distância imensa instantaneamente, ou seja infinitamente mais rápido do que a velocidade da luz.

Não seria estranho, nós começarmos a nos distanciar pela tangente da órbita e só depois de 8 minutos vermos o sol se apagar?

Logo, o que acontece na verdade é que a informação deve viajar com a máxima velocidade, que é a velocidade assintótica de (c). Sendo assim, se o campo gravitacional do sol acabar nesse instante, a Terra continuaria girando ao redor de onde existia o sol. E só depois de 8 minutos é que certamente sairia pela tangente da órbita que traçava.

Isso pode ser explicado com a Relatividade Geral.


Espero com esse POST esclarecer a todos que nada pode ultrapassar a velocidade da LUZ, nem mesmo os fótons que formam a luz pode chegar na velocidade da luz (c). Se os fótons sempre viajassem a velocidade da luz, não sofreria desvios quando muda de meio, ou quando passam por buracos negros.

Então é isso. Em breve traremos mais novidades sobre Relatividade em meu blog que está sendo desenvolvido em parceria com a turma do Exatamente.

Até a próxima.
Bons estudos.